Avançar para o conteúdo principal

Uma Tara no FIBDA

A meu convite pessoal, a ilustradora e designer norte-americana TARA McPHERSON estará presente no 1º fim-de-semana do Festival de BD da Amadora, nos dias 25 e 26 de Outubro.

Natural de São Francisco, mas estabelecida em Nova Iorque, Tara McPherson é uma das mais conceituadas ilustradoras e designers da nova vaga nova-iorquina, com presença igualmente marcante no mundo da música através da sua banda, os New York Times, e a concepção de inúmeros cartazes e arte conceptual para bandas como os Depeche Mode, Duran Duran, Strokes, Interpol, entre muitos outros.

À semelhança de James Jean, Tara tem tido igualmente passagens regulares pelo mundo da BD, e a sua arte poderá ser vista por exemplo na graphic novel "Fables: 1001 Nights of Snowfall", onde ilustrou uma belíssima história em 9 páginas escrita pelo autor da série, Bill Willingham, e em várias capas de séries da Vertigo.

A presença de Tara McPherson no festival será complementada por uma exposição de originais e prints da artista, que participará igualmente num Workshop de Arte e Ilustração, cuja data e hora exactas comunicarei oportunamente quando der por abertas as inscrições.

Para além de prints assinados pela ilutradora, o stand da Kingpin terá ainda à venda, e em exclusivo, a colecção de Designer Toys criados por Tara McPgerson, alguns dos quais poderão ver aqui nestas fotos.

À semelhança do que fizemos em anos anteriores com o malogrado Seth Fisher e com o canadiano Cameron Stewart, a Kingpin dará assim a conhecer ao público português mais um artista ainda pouco conhecido, mas que certamente todos irão apreciar e reconhecer após a sua presença no evento.

Conto convosco!

Comentários

David Soares disse…
A bela Tara será uma adição glamourosa ao FIBDA. E a arte dela, também... :)

Abraço!

David
Man-El disse…
And there was much rejoicing! Yay!
Bruno disse…
Realmente, uma artista de gabarito fica sempre bem.
Não é um house-hold name mas tem uma qualidade artística que pede meças a muito boa gente.

Só é pena não poder estar aí pra me juntar à paródia mas prontos, estarei em espírito!
Diogo Valadas disse…
Bruno, não é uma 'house-hold'!!!

Não é à toa que logo a abrir o filme 'Juno' tens uma referência à McPherson. Há-de trazer muita gente de fora do nicho 'bedéfilo'.

Acho que o Mário vai ter uma agradável surpresa com a escolha que fez para este ano.
Diogo Valadas disse…
Acho que até merecia uma chamada de atenção para os 'betinhos' da 'Blitz'.

Não é todos os dias que se tem em Portugal alguém que já fez posters para todas as boas bandas que vêm do outro lado da 'charca'.

Mensagens populares deste blogue

5 Dias, 5 Críticas: Quem Edita os Editores?

As grandes editoras são sítios curiosos: parte significativa dos títulos têm editor assistente, editor associado, editor e, finalmente, o editor-chefe. Olhando para muita coisa a que assisto nos comics que leio ou me limito a folhear, apetece-me perguntar: estes editores andam a olhar para onde? Andam a editar o quê? Ou será que não passam de macacos menos evoluídos que o Gervásio? Um editor não pode ser apenas um escritor frustrado sem talento ou um tarefeiro que começou como office-boy, mas que foi subindo porque demonstrava "boa vontade". Um editor tem que ter sólidos conhecimentos de escrita e de arte, mesmo que seja incapaz de imaginar uma ideia suficientemente meritória para ser publicada ou não consiga sequer desenhar uma stick-figure em condições (mais do que nos olhos, a capacidade de desenhar bem está na prática e correspondente coordenação entre a mão e o cérebro). Há uns anos atrás, recordo-me de Jim Shooter - o carismático e polémico editor-chefe da Marvel nos ano…

Amadora 2009 – Eu contribuí. E vocês?

Terminou o Amadora BD deste ano. Com todas as condicionantes e cortes orçamentais anunciados, e perante o espectro (eterno, diria) da crise, acabou por ser uma agradável surpresa. Foi um evento participado, animado, com um feeling refrescante e um salutar ambiente de renovação com muitos autores novos e muita gente nova. Muito se tem já dito e escrito sobre o evento, desde análises sérias e ponderadas, aos habituais muros de lamentações de quem muito exige e pouco faz. Justiça reposta
O festival tem defeitos? É óbvio que tem, caso contrário não se gastariam centenas de linhas a falar deles, em blogues e afins. Mas é, inequivocamente, o único festival de verdadeira dimensão nacional e internacional, o único que atrai verdadeiro público, o único que justifica investimentos editoriais, o único que justifica o investimento do (muito) tempo gasto na sua preparação e participação. Depois, o festival é vítima de duas das piores características do povo português, se quisermos acreditar em tai…

UMA CRÓNICA VINDA DE BEJA - Por favor, contem-me histórias!

Por Fernando Dordio Campos Como o Mário constata no seu artigo anterior, existe um claro divórcio entre o público e os eventos de BD realizados de Norte a Sul do país. Não penso ser na divulgação que se encontra o verdadeiro problema, mas fundamentalmente no conteúdo da Banda Desenhada feita em Portugal. Indo ao evento de Beja e convivendo com seus os habituais frequentadores, senti-me mal, senti-me um bocado desprezado. Não é que me sinta mal com isso, mas a meu ver essa sensação explica muita coisa. Eu sou orgulhosamente argumentista, gosto de escrever, já escrevi para diversos meios por prazer e gosto fundamentalmente de contar histórias. Procuro o melhor para o processo criativo, indo a Workgroups, lendo livros e colocando a minha escrita à prova, escrevendo para meios que não conheço e que por uma questão de desafio me atraem. Há cerca de dois anos não sabia nada de argumento de BD, mas a curiosidade fez-me estudar o tema e acho que actualmente consigo contar uma história de um…