Avançar para o conteúdo principal

Super PIG - Antevisão de 3 páginas

Caríssimos, estou de volta. Tem sido uma semana extremamente atarefada, típica de regresso de férias, mas não os queria deixar pendurados durante muito tempos, sobretudo agora que há novidades para mostrar.

Assim, aqui fica desde já uma antevisão das três primeiras páginas do tal projecto que estou a desenvolver. Como poderão adivinhar, o protagonista é o "popular" PIG, mascote da minha loja, que se decidiu emancipar e ganhar vida própria.

Mas não se deixem enganar pelo título: o prefixo "Super" deve ser visto mesmo assim, entre aspas. SUPER PIG não será um comic de super-heróis, longe disso. Já não tenho 20 anos e as minhas influências andam hoje longe desse género narrativo. Contem com acção, aventura, drama, isso é óbvio, mas sempre inseridos num contexto em que o inesperado e o burlesco possam surgir a qualquer momento.

Para além disso, não nego que esta BD será num estilo ostensivamente comic book. E um comicbook que não tenha vergonha de ser um comic book! Efeitos sonoros, balões de pensamento, toda a panóplia de técnicas e ferramentas exclusivas deste medium, mas que parecem escondidos, ignorados por criadores e editores envergonhados da herança histórica que receberam.

E o formato: o formato será muito aproximado de um comic book americano. Para evitar aquelas publicações híbridas, que parecem elefantes numa loja de porcelanas.

(E ainda não disse, mas se clicarem nas imagens, acedem a versões maiores em que, em princípio, poderão ler o que lá está.)


Resta-me reafirmar o que aqui disse há algum tempo: não prometo nada, à excepção de uma coisa. Não prometo regularidade, não prometo preços baixos, não prometo mundos e fundos. Prometo apenas BD cuidada, com um aspecto limpo e profissional.

Porque é simples, meus amigos, é tão simples. Com as ferramentas e software ao nosso dispor actualmente, já não há desculpa para as coisas medonhas que ainda me vêm parar às mãos. Já não há pachorra, com franqueza, para balonagens ilegíveis, erros ortográficos grosseiros e pseudo-histórias que não o são.

Pois, as histórias... É isso: prometo histórias, também. Podem não gostar delas (mal seria se eu conseguisse agradar a todos), mas dificilmente dirão que não há história.

Mais novidades em breve.

E boas leituras. Sempre.

Comentários

Silvereagle disse…
"Prometo apenas BD cuidada, com um aspecto limpo e profissional"

Pelo preview, estão a cumprir :) conseguiste despertar-me a curiosidade... fico à espera do resultado final.
Bruno disse…
"Achhh"
:O
O PIG É ESCOCÊS?!
Luís Guerreiro disse…
Pareçe-me que a união argumento/desenho está harmoniosa, o que resulta numa banda desenhada interessante.
Desejo-vos a continuação de bom trabalho.

luisguerreiroportfolio.blogspot.com
Manuel Ataíde disse…
Não há cor!
Não há uniformes de Jim Lee!
Não se refere a palavra MUTANTE!
Não tem X na capa!
Tem um porco com pelos no cu!
Tem um porco a desfazer a barba!

Sim, despertou o interesse!

Para quando o Giant Size Super Pig #1?
CPedro disse…
" Não há cor!
Não há uniformes de Jim Lee!
Não se refere a palavra MUTANTE!
Não tem X na capa!
Tem um porco com pelos no cu!
Tem um porco a desfazer a barba!

Sim, despertou o interesse!

Para quando o Giant Size Super Pig #1?"

Espera pelo número 2

^_-
Manuel Ataíde disse…
esperar pelo 2?
se me estás a dizer que estas 3 páginas são o um tiras-me a vontade de ver o 2
Mário Freitas disse…
Credo! Claro que não!

Como disse, isto irá ter um formato assumidamente comic book, pelo que cada número terá 22 páginas ou aproximado.

Também não percebi bem o que o C.Pedro quis dizer. Se calhar por isso é que ele é o artista, e o escritor sou eu... ;)
CPedro disse…
"Também não percebi bem o que o C.Pedro quis dizer. Se calhar por isso é que ele é o artista, e o escritor sou eu... ;)"

Bolas esqueci-me que os uniformes eram o nosso segredo.

Se calhar é melhor não falar na nudez gratuita. E no sexo explícito. E também nas proporções Liefeldianas dos elementos femininos...

Oh...
bugger...
Manuel Ataíde disse…
Bom... nudez ezplícita ainda vá que não vá. Mas se voltas a falar no nosso amor de perdição - leia-se Rob Liefeld (ARHHHHHHH) afugentas o pessoal todo.

O que importa é que o argumentista saiba o que faz. O arte grafista limita-se a desejar o que é pedido.Sendo assim continuo à espera o #1 com a certeza de que estas 3 páginas não o são.

Já agora, Pig, não te esqueças de acrescentar esta obra literária à minha lista de encomendas ( espero que sejas mais breve a escrever do que o Morrison com o All Star Superman - sem desprimor para o homem)
Véte disse…
Então pode dizer-se que esta será a primeira mini-série inteiramente portuguesa em formato comic-book? Ou serão fanzines?

Mensagens populares deste blogue

5 Dias, 5 Críticas: Quem Edita os Editores?

As grandes editoras são sítios curiosos: parte significativa dos títulos têm editor assistente, editor associado, editor e, finalmente, o editor-chefe. Olhando para muita coisa a que assisto nos comics que leio ou me limito a folhear, apetece-me perguntar: estes editores andam a olhar para onde? Andam a editar o quê? Ou será que não passam de macacos menos evoluídos que o Gervásio? Um editor não pode ser apenas um escritor frustrado sem talento ou um tarefeiro que começou como office-boy, mas que foi subindo porque demonstrava "boa vontade". Um editor tem que ter sólidos conhecimentos de escrita e de arte, mesmo que seja incapaz de imaginar uma ideia suficientemente meritória para ser publicada ou não consiga sequer desenhar uma stick-figure em condições (mais do que nos olhos, a capacidade de desenhar bem está na prática e correspondente coordenação entre a mão e o cérebro). Há uns anos atrás, recordo-me de Jim Shooter - o carismático e polémico editor-chefe da Marvel nos ano…

Amadora 2009 – Eu contribuí. E vocês?

Terminou o Amadora BD deste ano. Com todas as condicionantes e cortes orçamentais anunciados, e perante o espectro (eterno, diria) da crise, acabou por ser uma agradável surpresa. Foi um evento participado, animado, com um feeling refrescante e um salutar ambiente de renovação com muitos autores novos e muita gente nova. Muito se tem já dito e escrito sobre o evento, desde análises sérias e ponderadas, aos habituais muros de lamentações de quem muito exige e pouco faz. Justiça reposta
O festival tem defeitos? É óbvio que tem, caso contrário não se gastariam centenas de linhas a falar deles, em blogues e afins. Mas é, inequivocamente, o único festival de verdadeira dimensão nacional e internacional, o único que atrai verdadeiro público, o único que justifica investimentos editoriais, o único que justifica o investimento do (muito) tempo gasto na sua preparação e participação. Depois, o festival é vítima de duas das piores características do povo português, se quisermos acreditar em tai…

UMA CRÓNICA VINDA DE BEJA - Por favor, contem-me histórias!

Por Fernando Dordio Campos Como o Mário constata no seu artigo anterior, existe um claro divórcio entre o público e os eventos de BD realizados de Norte a Sul do país. Não penso ser na divulgação que se encontra o verdadeiro problema, mas fundamentalmente no conteúdo da Banda Desenhada feita em Portugal. Indo ao evento de Beja e convivendo com seus os habituais frequentadores, senti-me mal, senti-me um bocado desprezado. Não é que me sinta mal com isso, mas a meu ver essa sensação explica muita coisa. Eu sou orgulhosamente argumentista, gosto de escrever, já escrevi para diversos meios por prazer e gosto fundamentalmente de contar histórias. Procuro o melhor para o processo criativo, indo a Workgroups, lendo livros e colocando a minha escrita à prova, escrevendo para meios que não conheço e que por uma questão de desafio me atraem. Há cerca de dois anos não sabia nada de argumento de BD, mas a curiosidade fez-me estudar o tema e acho que actualmente consigo contar uma história de um…