Avançar para o conteúdo principal

2ª feira e os 3 estágios da escrita

Odeio a 2ª feira. É um dia de neura, para mim. Sinto-me mais cansado que à 6ª (ou ao Sábado, que eu trabalho muitas vezes 6 dias por semana), sinto-me inerte e sem capacidade de reacção, em resumo, um perfeito mono de jardim.

Isto é tanto pior quando tenho 3 histórias para escrever, que me deveriam pôr a mexer (porque eu até gosto de escrever... o problema está mesmo em começar... sobretudo à 2ª feira). 3 histórias em estágios completamente díspares de evolução: o Pig 3 está todo delineado e praticamente todo escrito até ao último diálogo, pelo que falta apenas ir definindo a composição de cada página, à medida que eu o GEvan.. vamos progredindo.
Depois, há outra história em 12 páginas, para um projecto especial a anunciar em breve, que já está totalmente definida página a página, faltando agora os diálogos e as narrações.
Finalmente, há ainda outra história curta em 6 páginas, a incluir como back-up no Pig 3, que está mais ou menos definida na minha cabeça, mas que urge pôr no papel e desenvolver.

Mas hoje é 2ª feira... Já vos disse como odeio as segundas-feiras?

Comentários

Bruno disse…
Isto é uma má altura para dizer que não trabalho hoje e tou numa de preguiça completa?
Mário Freitas disse…
Mas trabalhaste ontem, certo?
Enquanto eu estive na praia com 20 e tal graus, certo?

*grin*

Mensagens populares deste blogue

5 Dias, 5 Críticas: Quem Edita os Editores?

As grandes editoras são sítios curiosos: parte significativa dos títulos têm editor assistente, editor associado, editor e, finalmente, o editor-chefe. Olhando para muita coisa a que assisto nos comics que leio ou me limito a folhear, apetece-me perguntar: estes editores andam a olhar para onde? Andam a editar o quê? Ou será que não passam de macacos menos evoluídos que o Gervásio? Um editor não pode ser apenas um escritor frustrado sem talento ou um tarefeiro que começou como office-boy, mas que foi subindo porque demonstrava "boa vontade". Um editor tem que ter sólidos conhecimentos de escrita e de arte, mesmo que seja incapaz de imaginar uma ideia suficientemente meritória para ser publicada ou não consiga sequer desenhar uma stick-figure em condições (mais do que nos olhos, a capacidade de desenhar bem está na prática e correspondente coordenação entre a mão e o cérebro). Há uns anos atrás, recordo-me de Jim Shooter - o carismático e polémico editor-chefe da Marvel nos ano…

Amadora 2009 – Eu contribuí. E vocês?

Terminou o Amadora BD deste ano. Com todas as condicionantes e cortes orçamentais anunciados, e perante o espectro (eterno, diria) da crise, acabou por ser uma agradável surpresa. Foi um evento participado, animado, com um feeling refrescante e um salutar ambiente de renovação com muitos autores novos e muita gente nova. Muito se tem já dito e escrito sobre o evento, desde análises sérias e ponderadas, aos habituais muros de lamentações de quem muito exige e pouco faz. Justiça reposta
O festival tem defeitos? É óbvio que tem, caso contrário não se gastariam centenas de linhas a falar deles, em blogues e afins. Mas é, inequivocamente, o único festival de verdadeira dimensão nacional e internacional, o único que atrai verdadeiro público, o único que justifica investimentos editoriais, o único que justifica o investimento do (muito) tempo gasto na sua preparação e participação. Depois, o festival é vítima de duas das piores características do povo português, se quisermos acreditar em tai…

UMA CRÓNICA VINDA DE BEJA - Por favor, contem-me histórias!

Por Fernando Dordio Campos Como o Mário constata no seu artigo anterior, existe um claro divórcio entre o público e os eventos de BD realizados de Norte a Sul do país. Não penso ser na divulgação que se encontra o verdadeiro problema, mas fundamentalmente no conteúdo da Banda Desenhada feita em Portugal. Indo ao evento de Beja e convivendo com seus os habituais frequentadores, senti-me mal, senti-me um bocado desprezado. Não é que me sinta mal com isso, mas a meu ver essa sensação explica muita coisa. Eu sou orgulhosamente argumentista, gosto de escrever, já escrevi para diversos meios por prazer e gosto fundamentalmente de contar histórias. Procuro o melhor para o processo criativo, indo a Workgroups, lendo livros e colocando a minha escrita à prova, escrevendo para meios que não conheço e que por uma questão de desafio me atraem. Há cerca de dois anos não sabia nada de argumento de BD, mas a curiosidade fez-me estudar o tema e acho que actualmente consigo contar uma história de um…