Avançar para o conteúdo principal

Finalmente, a luz

ALL STAR SUPERMAN #4 chega finalmente esta semana!

Sim, já estava a desesperar. Eu e dezenas de outras pessoas viciadas nesta brilhante série de Grant Morrison e Frank Quitely. Mas os transportadores têm este vício terrível. Parecem adivinhar quanda determinada carga é particularmente relevante e fazem questão de a atrasar.

Mas enquanto aguardamos esta quarta edição, que tal deixar aqui desde já a capa da 6ª? Smallville, Krypto e a morte dos Kent. E o que mais? Talvez a quase perfeição da capa de Quitely e a forma como usa sombras e o mato para conferir uma sensação de tri-dimensionalidade espacial. Não é para quem quer. É para quem pode.

Comentários

Raistlin disse…
Grande capa do grande Quitely! Pode ser que seja esta dupla que me vai fazer ter algum interesse no Superman!
CPedro disse…
Permite me pela primeira vez fazer o impensável e dizer algo que certamente soará a sacrilégio: Acho esta capa do Quitely muito fraca em relação as restantes da série.

Concordo com os pontos que referiste na utilização, bastante bem conseguida aliás, das sombras e do tamanho do mato para criar profundidade entre o leitor e o a cena. No entanto acho que estou mal habituado com a arte do Quitely de tão boa que é.

No entanto esta capa sabe-me um pouco a ensonsa. Embora o Kripto esteja adorável (gud d0g!) e a posição do Superhomem irreprensivel acho que existe algo estranho neste, mais concretamente na parte do pescoço, também pode ser da imagem no computador, mas a mim parece-me que este quase que parte a coluna a apoiar assim a cabeça. Enfim parece-me um pouco estranha.

Mas o que realmente me chateia nesta capa é o sentimento de "despacha" que transmite. É verdade que a historia é sobre a morte de Jonathan Kent, pai de Clark Kent, e portanto esta deve transmitir alguma melâncolia. Mas vindo de alguém que nos deu a capa do número 1 e as capas de American Virgin, apenas para citar exemplos mais recentes esta parece com falta de trabalho. Quitely é um mestre da perspectiva de certeza que ele saberia de ângulos mais adequados para esta situção do que certamente um simples enquadramento paralelo a personagem principal. Não que a capa não faça o seu papel, está muito bem executada, mas é um pouco sensaborona em comparação com outras do mesmo artista.

Isto é claro é apenas a minha opinião e eu não sou mais que um leigo nestas andanças para tentar criticar um mestre como o Quitely. No entanto fica aqui fica expressa.

CPedro
Manuel Ataíde disse…
Pois foi esta dupla que me fez comprar Superman.
ainda me lembro em New X-Men q achava que o Morrison nao sabia para onde ia e o Quitely não sabia desenhar. GRANDE BESTA QUE EU SAÍ
A capa está uma delicia... e se estivesse para o despacha - como disse o cpedro - a relava não daria a sensação de realidade.
Abraços a todos
Fernando Campos disse…
Caro CPedro.

Nunca posso dizer que uma capa com um carro bem desenhado é a pior capa.

Eu tenho um fraco por ver carros bem desenhados nos comics americanos (coisa muiiiiiiiiiiito rara - ver Infinite Crisis) e ultimamente o mago Quitely anda muito automobilizado.

Mensagens populares deste blogue

5 Dias, 5 Críticas: Quem Edita os Editores?

As grandes editoras são sítios curiosos: parte significativa dos títulos têm editor assistente, editor associado, editor e, finalmente, o editor-chefe. Olhando para muita coisa a que assisto nos comics que leio ou me limito a folhear, apetece-me perguntar: estes editores andam a olhar para onde? Andam a editar o quê? Ou será que não passam de macacos menos evoluídos que o Gervásio? Um editor não pode ser apenas um escritor frustrado sem talento ou um tarefeiro que começou como office-boy, mas que foi subindo porque demonstrava "boa vontade". Um editor tem que ter sólidos conhecimentos de escrita e de arte, mesmo que seja incapaz de imaginar uma ideia suficientemente meritória para ser publicada ou não consiga sequer desenhar uma stick-figure em condições (mais do que nos olhos, a capacidade de desenhar bem está na prática e correspondente coordenação entre a mão e o cérebro). Há uns anos atrás, recordo-me de Jim Shooter - o carismático e polémico editor-chefe da Marvel nos ano…

Amadora 2009 – Eu contribuí. E vocês?

Terminou o Amadora BD deste ano. Com todas as condicionantes e cortes orçamentais anunciados, e perante o espectro (eterno, diria) da crise, acabou por ser uma agradável surpresa. Foi um evento participado, animado, com um feeling refrescante e um salutar ambiente de renovação com muitos autores novos e muita gente nova. Muito se tem já dito e escrito sobre o evento, desde análises sérias e ponderadas, aos habituais muros de lamentações de quem muito exige e pouco faz. Justiça reposta
O festival tem defeitos? É óbvio que tem, caso contrário não se gastariam centenas de linhas a falar deles, em blogues e afins. Mas é, inequivocamente, o único festival de verdadeira dimensão nacional e internacional, o único que atrai verdadeiro público, o único que justifica investimentos editoriais, o único que justifica o investimento do (muito) tempo gasto na sua preparação e participação. Depois, o festival é vítima de duas das piores características do povo português, se quisermos acreditar em tai…

UMA CRÓNICA VINDA DE BEJA - Por favor, contem-me histórias!

Por Fernando Dordio Campos Como o Mário constata no seu artigo anterior, existe um claro divórcio entre o público e os eventos de BD realizados de Norte a Sul do país. Não penso ser na divulgação que se encontra o verdadeiro problema, mas fundamentalmente no conteúdo da Banda Desenhada feita em Portugal. Indo ao evento de Beja e convivendo com seus os habituais frequentadores, senti-me mal, senti-me um bocado desprezado. Não é que me sinta mal com isso, mas a meu ver essa sensação explica muita coisa. Eu sou orgulhosamente argumentista, gosto de escrever, já escrevi para diversos meios por prazer e gosto fundamentalmente de contar histórias. Procuro o melhor para o processo criativo, indo a Workgroups, lendo livros e colocando a minha escrita à prova, escrevendo para meios que não conheço e que por uma questão de desafio me atraem. Há cerca de dois anos não sabia nada de argumento de BD, mas a curiosidade fez-me estudar o tema e acho que actualmente consigo contar uma história de um…